Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''linux''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • A Cidade OTBR
    • OTServ Brasil
    • Atendimento
    • Calabouço
  • OTServ - Áreas Comuns
    • Notícias e Discussões
    • Suporte - Dúvidas, Bugs, Erros
    • Downloads
    • Tutoriais
    • Show-Off
    • Divulgação de Servidores
    • Projetos e Formações de Equipes
  • Outros
    • Design

Encontrado 9 registros

  1. Compilando OTC no Ubuntu

    Primeiramente você deve instalar algumas coisas: sudo apt-get install build-essential cmake git-coresudo apt-get install libboost1.55-all-dev libphysfs-dev libssl-dev liblua5.1-devsudo apt-get install libglew1.6-dev libvorbis-dev libopenal-dev libz-dev Obs.: Se reportar algum erro, geralmente é porque vc jah tah com tudo ok! Agora vamos acessar a pasta das sources e compilar o programa: cd otclient ///// Lembrando que vc tem que navegar até a pasta das sources com os comando ls para listar as pastas e cd para abrirmkdir build && cd build cmake ..makeExecutando seu OTC./otclient
  2. Olá cidadãos OTBR! Neste tutorial de hoje vou ensinar a instalar e utilizar o Screen. Mas antes disso, vou explicar o que é e para que serve. O Screen (ou GNU Screen) é é um software livre multiplexador de terminal de linha de comando desenvolvido pelo Projeto GNU. Permite que o usuário acesse múltiplas sessões separadas de terminal a partir de uma mesma janela ou mesmo remotamente. É muito útil para manipular vários programas em uma mesma janela ou mesmo para manter processos em execução de fundo. [Wikipedia] Ou seja, reusmidamente, o Screen é um software que permite você rodar várias áreas de trabalhos com vários processos executando. E porque preciso de utilizar isso no meu servidor de OTServer? Simples! Quando for abrir o servidor utilizando o comando ./theforgottenserver &, ao fechar o SSH, o servidor continua rorando, certo? Mas você não pode mais ver os logs que o executável gera em tempo real no linux. Porém.. se você abrir o servidor dentro de uma área de trabalho do Screen, isso é possível! Sem contar com várias outras vantagens como maior estabilidade e possibilidade de continuar trabalhando no SSH sem interromper o servidor ou ter que abrir outra janela! Bom.. agora que já expliquei sobre o Screen.. Vamos ao tutorial! 1. Instalando o Screen: 1.1. Abra o terminal SSH do seu servidor. 1.2. Ao logar no servidor, rode o seguinte comando para instalar o Screen: -> Servidores Ubuntu/Debian: apt-get install screen -> Servidores CentOS: yum install screen 1.3. Pronto, Screen instalado! Simples, não? Agora vamos a utilização! 2. Utilizando o Screen: 2.1. Abra o terminal SSH do seu servidor. 2.2. Para criar uma nova área de trabalho do Screen, utilize o comando: screen -S NomeDaScreen -> Por exemplo: screen -S rodarServidor 2.3. Assim que o comando acima for executado, voce já estará em uma nova área de trabalho. Caso queira deixar algo rodando nela em segundo plano, basta rodar o que for rodar normalmente e sair da Screen sem fechar a área de trabalho. -> Por exemplo: screen -S TFS [email protected]:~$ cd /home/otserv [email protected]:/home/otserv$ ./theforgottenserver & 2.4. Depois que o comando já estiver rodando, basta pressionar as teclas CONTROL, A e D (Ctrl A + D). Ao "minimizar" a área de trabalho, o Screen vai exibir uma frase informando que "deu tudo certo". -> Por exemplo: screen -S tst [email protected]:~$ [detached from 13077.tst] 2.5. Para entrar novamente na Screen, basta utilizar o comando abaixo: screen -r NomeDaScreen -> Por exemplo: screen -r tst 2.6. Mas e se eu esquecer o nome da Screen? Calma.. Para listar todas as Screens em execução, utilize o seguinte comando: screen -ls -> Por exemplo: [email protected]:$ screen -ls There is a screen on: 13077.tst (10-06-2014 08:55:37) (Detached) 1 Socket in /var/run/screen/S-476175. [email protected]:$ * De verde, temos o nome das Screens (neste caso, da Screen) em execução. 2.7. E para fechar uma Screen, ao em vez de minimizá-la, como faço? Simples! Utilize o comando abaixo após acessar a Screen que deseja fechar: exit Pronto! 3. Correção de problemas: Aqui em baixo, vou postando soluções de possíveis problemas do Screen, a medida que forem sendo reportados. Até hoje, o único problema por qual já passei foi a pasta do Screen perder permissão, fazendo com que eu não consiga ver as Screens em aberto, mas esse problema só não permite que a mesma seja resumida, as Screens todas continuaram funcionando normalmente. + Problema: Directory '/var/run/screen' must have mode 777. + Solução: chmod 777 /var/run/screen. Façam bom proveito! (Esse tutorial foi completamente escrito por mim. Qualquer cópia deve ser previamente autorizada e conter os devidos créditos.)
  3. Olá a todos da OTServ.com.br, vou postar aqui hoje um tutorial simples de como instalar esse Firewall no seu servidor Linux, esse tutorial é de nível básico. Antes de iniciar, vou falar um pouco sobre mim. Atualmente curso Ciência da Computação na PUC, e trabalho para empresas de Hospedagem de sites e Servidores de grande porte (voltadas para empresas) na parte de manutenção e otimização de servidores. Tenho diversos diplomas voltados para Linux, cPanel/WHM, segurança, etc. Então, como estou voltando a ativa na área do OTServ, e sempre frequentei aqui, resolvi fazer esse tutorial exclusivamente para a OTBR. -> Em breve vou postar um segundo tutorial sobre o CSF, ensinando a configurá-lo da melhor forma possível para um OTServ, apenas vou dar uma revisada nas linhas das configurações primeiro, uma vez que estou acostumado a configurá-lo para servidores WEB em produção, o que é totalmente diferente. Vamos ao tutorial? 1. Conecte-se ao seu servidor via SSH. 2. [Opcional / Recomendado] Instale o screen e utilize-o para a instalação do CSF: (Em breve posto um tutorial avançado sobre Screen) Servidores Ubuntu/Debian: apt-get install screen Servidores CentOS: yum install screen * O screen, de maneira mais simples, é um software que roda uma área de trabalho no servidor, ou seja, se você rodar algum script dentro da Screen e fechar o SSH ou a conexão cair, o mesmo vai continuar rodando na máquina. 3. [Opcional / Recomendado] Abra uma nova "sessão" no screen: screen -S InstalarCSF * O nome "InstalarCSF" é o nome da sessão. 4. Instalando o CSF: cd /home rm -fv csf.tgz wget http://www.configserver.com/free/csf.tgz tar -xzf csf.tgz cd csf sh install.sh 5. Ativando o CSF e desbloqueando as portas do servidor: 5.1 Utilize o nano para editar o arquivo de configuração do CSF: nano /etc/csf/csf.conf 5.2 Edite as seguintes variáveis para igual abaixo (Use a seta para descer até a linha): TESTING = "0" * Mude a variável TESTING para 0. TCP_IN = "" TCP_OUT = "" UDP_IN = "" UDP_OUT = "" * Adicione dentro dessas variáveis as portas utilizadas pelo seu servidor. Remova quaisquer outras portas que não estejam sendo utilizadas. (Exemplo: Adicione porta 80 (web), 7171, 7272, 7172 (tibia), 22 (SSH)) ! Não esqueça de adicionar a porta do SSH, caso contrário você não vai conseguir acessar seu servidor mais via SSH! 5.3 Saia do nano utilizando CTRL + X. Para salvar digite Y (para caso o sistema operacional esteja em inglês) ou S (para sistema operacional em porgutuês) e aperte ENTER. 6. Reinicie o CSF para que ele recarregue as configurações e sai da o modo TESTING: service csf restart Pronto, CSF instalado e funcionando nas configurações padrões para seu servidor! Lista de comandos úteis para o CSF: service csf stop ("desliga" o CSF) service csf start ("liga" o CSF) service csf restart (Reinicia o CSF) csf -g IP (Verifica se o IP digitado está bloqueado) csf -a IP "Comentário" (Adiciona o IP na lista de IPs totalmente permitidos) csf -d IP "Comentário" (Adiciona o IP na lista de IPs totalmente bloqueados) csf -tr IP (Remove o bloqueio temporário de um IP) csf -dr IP (Remove o bloqueio definitivo de um IP) Arquivos principais do CSF: /etc/csf/csf.conf (Arquivo de configuração) /etc/csf/csf.allow (Arquivo de IPs permitidos) /etc/csf/csf.deny (Arquivo de IPs bloqueados) Observação: O CSF é um Firewall em SOFTWARE, ou seja, infelizmente ele não é suficiente para bloquear ataques do tipo DDoS de grande porte. Ele apenas bloqueia pequenos ataques DDoS e ataques DoS de qualquer porte. (Esse tutorial foi completamente escrito por mim. Qualquer cópia deve ser previamente autorizada e conter os devidos créditos.)
  4. linux Signals é seu amigo <3

    Eai, beleza? Recentemente passeando pelo Github, encontrei uma Issue do The Forgotten Server perguntando quais eram os sinais do processo do TFS. Então vamos lá, Para fechar um OTServ, você ocasionalmente utiliza killall -9 theforgottenserver Mas você sabe o que significa esse -9? Bom, ele significa que você vai mandar um sinal 9 para o processo em questão. Para sabermos quais os sinais que o Linux permite, basta executar kill -l Então o sinal 9 na verdade se chama SIGKILL. O significado do sinal KILL é o seguinte: Resumidamente, ele força que o processo pare de executar imediatamente. Então vamos aprender o modo correto de fechar o TFS. A Issue que eu encontrei é essa: https://github.com/otland/forgottenserver/issues/770 Onde Colaborador @dominique120 diz todos os signals e seus efeitos em um link no Pastebin. Para garantir que o Pastebin não delete o arquivo, eu salvei ele no meu gist: https://gist.github.com/gpedro/7f7160a90ced2fe24eec Então vamos entender como funciona: Para encerrar um processo, agora nós iremos consultar a tabela de signals e ver qual operação você quer fazer. Exemplo: eu quero fechar o meu TFS de forma segura. Para fecha com segurança, primeiro salvamos o servidor e depois fechamos, logo, o sinal correspondente a essa opção é o QUIT, então: killall -SIGQUIT theforgottenserver ou killall -3 theforgottenserver Então é isso. Obrigado <3 - - - - Referências https://github.com/otland/forgottenserver/issues/770 http://www.linux.org/threads/kill-commands-and-signals.4423/ não esqueça de curtir aqui em baixo
  5. Galera, Venho aqui avisar que tenho alguns Hosts disponíveis. Esses são todos dedicados!Qualquer coisa entrar em contato pelo Email [email protected] ! Tenho servidores VPS também. Lembrando que é apenas para servidores sérios! Você escolhe o Sistema Operacional, Versões Linux, Windows Server, e etc... Todos possuem IP Fixo! Dedicado 1: - Localização EUA - Intel Core i3 2130 2x2(HT)x3.4+ GHz 64Bits - 16Gb DDR3 - 2x 1TB - SATA2 - Link 100Mbps - Trafego de 10TB Dedicado 2: -Localização Europa - Intel Core i5-2400 4x3.1+ GHz 64Bits - 16Gb DDr3 - 2x 2TB - SATA2 - Link 100Mbps - Trafego de 15TB Dedicado 3: -Localização EUA -Intel Xeon W3520 4x2(HT)x2.66+ GHz 64bits - 24Gb DDR3 - 2x 2TB - SATA2 - Link 1Gbps - Trafego de 20TB Dedicado 4: -Localização Europa - AMD Opteron 4174 6x 2.30+ GHz 64Bits - 32Gb DDR3 - 2x 2TB - SATA2 - Link 1Gbps - Trafego de 20TB Super Dedicado: - Localização Europa - Intel Bi Xeon E5606 2x4x2.13+ GHz 64 Bits - 24 GB DDR3 ECC - 2x 3TB - SATA2 - Link 10 Gbps - Trafego de 30TB OBS: Só alugo para OTs sérios, e clientes responsáveis! Contato apenas pelo e-mail [email protected] , envie sua proposta! Não perca tempo, seja o mais rápido possível!
  6. Backup Automático Da Sua Database

    Introdução: Olá venho aqui fazer esse tutorial para ensinar como configurar um cron a fazer backup automaticamente da sua database todos os dias. OBS: • Seu server tem que estar em ambiente Linux. • Sua database deve estar funcionando com o seu servidor. • Programa usado no tutorial PuTTY. Tutorial 1° Parte do tutorial : 1°: logue no PuTTY como root e crie o diretório onde será salvo a database com esse comando: mkdir backup 2°: Agora vamos criar o arquivo que irá fazer o backup com o comando: pico backup.sh Agora você vai ter que colar este texto para o novo arquivo. Você pode colar pressionando o botão direito do mouse. onde está otserv é o sqlDatabase = "otserv" que esta no config.lua #!/bin/bash mysqldump -u"root" otserv| gzip > /root/backup/db_backup_`date +%d-%m-%y__%Hh:%Mm_%Ss`.sql.gz Após colar o texto salvar e sair, (ctrl + x) S para sim depois enter, agora já esta salvo seu arquivo. 3°: execute esses 2 comandos: chmod 777 -R /root/backup/ chmod 777 -R /root/backup.sh Agora teste o arquivo com o comando: ./backup.sh No diretório /root/backup/ terá um arquivo parecido com isso db_backup_27-08-12__14h:00m_17s.sql.gz Seu arquivo backup.sh está funcionando agora vamos para a segunda parte onde o cron faz o backup todos os dias. 2° Parte do tutorial : 1°: Execute esse comando: nano /etc/crontab -e Vai aparecer algo semelhante a da imagem: Agora você vai ter que colar este texto. Você pode colar pressionando o botão direito do mouse. 1 6 * * * root ./backup.sh Deve ficar semelhante a imagem: Sendo que o 1 é minutos e 6 é horas o cron vai salvar sua database as 06:01 da manhã, após colar o texto (ctrl + x) S para sim depois enter, agora já esta salvo seu arquivo. Por final execute esse comando para da um restart no cron ou reinicie o host: /etc/init.d/cron restart Notas Finais Bom esse é um tutorial simples de como fazer um auto backup database, este tutorial foi feito em ubuntu 10.04 mas deve funcionar em outros ambientes Linux Credito: Vedovi Agradecimentos : Obrigado a todos que leu esse topico .
  7. Compilando OpenTibia - Ubuntu 10.04 TLS

    Compilando OpenTibia - Ubuntu 10.04 TLS Introdução Este tutorial foi escrito partindo do principio que o leitor tenha conhecimento minimo do sistema operacional Linux, saiba o que é o shell, entenda comandos simples do Linux, entre outras coisas essenciais. Caso você não se enquadre acesse os links.[spoiler=Links]Introdução ao Shell Comandos Básicos GCC Mãos a obra Passo 1 - Instalação das dependências Para efetuar a compilação do servidor é necessários algumas bibliotecas (libs), vamos fazer o download dessas bibliotecas preparando o sistema para compilar o OpenTibia. O simbolo # não deve ser digitado no terminal, ele está apenas indicando que tudo que esta adianta dele é um único comando, é apenas nomenclatura. Instalando GCC e G++ # sudo apt-get update # sudo apt-get install gcc # sudo apt-get install g++ Instalando as dependências # sudo apt-get install subversion autoconf build-essential pkg-config libboost-dev libgmp3-dev libxml2-dev liblua5.1-0-dev libmysqlclient-dev libcrypto++-dev ccache libboost-filesystem-dev libboost-regex-dev libboost-system-dev libboost-thread-dev screen libssl-dev libluajit-5.1-dev [spoiler=Leia]Este comando instalara algumas libs a mais, que não são totalmente necessárias para o OpenTibia, porem com elas também será possível compilar o TFS, caso queira apenas as libs do OpenTibia: # apt-get install autoconf libxml2-dev liblua5.1-0-dev g++ libgmp3-dev libboost1.35-dev Passo 2 - Configurações da compilação Neste passo iremos fazer as configurações do distro antes de compilar o mesmo, porem antes será necessário das privilegio aos arquivos, para isso faremos o seguinte. Pelo terminal entre no diretório onde encontra-se a pasta dos com arquivos, lembre-se não é para entrar no diretório onde está os arquivos, e sim no diretório pai deles. Troque o file pelo nome da pasta que encontra-se as sources. # chmod 777 -R file Preparando o terreno Os comandos abaixo devem ser executados dentro da pasta onde contem as sourcers. # ./autogen.sh [spoiler=Mysql] #./configure --enable-mysql [spoiler=SQLite] # ./configure --enable-sqlite [spoiler=Avançado]Acesse o arquivo configure para ver outras opções de configuração. Compilando... # make [spoiler=Avançado]Execute o comando abaixo para ver outras opções de compilação # make --help Se o seu computador for bom pode executar mais de um processo de compilação simultaneamente para isso use o comando abaixo, onde N é o numero de processos. # make -j N Pronto, está compilado. Executando # ./otserv Créditos Zirun Proibida a reprodução, parcial ou total do artigo sem previa autorização.
  8. IP Changer para Linux [Open Source]

    Instalação: $./configure [i](caso Seja A Versão Console)[/i] $./configure --with-gui [i](caso Seja A Versão Gui)[/i] $make #make Install Modo de usar do Console: change -ip Serverip Serverport Clientversion Change -un Serverip Serverport Clientversion Unstandardtibiaprocessname O Antigo IP-Changer para linux que eu tinha postado, fecharam o tópico, então, estou aqui postando este mais recente. |~| DOWNLOAD |~|
  9. Estou recrutando alguém capaz de compilar um código fonte para o Ubunto 9.10 (Karmic Koala), posteriormente pretendo compilar um servidor para o Slackware. Tenho uma máquina razoável, portanto serei o hoster. O Servidor será sério e por isso quero rodá-lo através do Linux. . O programador do servidor receberá todos os privilégios da conta de CM e receberá uma quantia mensal dos lucros que o servidor proporcionar. Os interessados devem postar uma resposta neste tópico expondo alguns trabalhos, juntamente o o msn, email ou gtalk para contato. Abraços !
×